GOVERNO DE PERNAMBUCO

GOVERNO DE PERNAMBUCO
Presença do Governo no Agreste Meridional

Natal de Garanhuns

Natal de Garanhuns
A Magia do Natal

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

WALTER BRENNAN, O ATOR DE FAROESTE    MAIS PREMIADO

Por Altamir Pinheiro

Sem o menor farelo de dúvida, o perfeccionista e exuberante Walter Brennan é o mais premiado ator coadjuvante do cinema, tendo recebido três prêmios Oscar nos anos 1936, 1938 e 1940 respectivamente por “Meu Filho é Meu Rival”, “Romance do Sul” e “O Galante Aventureiro”.  Neste último Brennan fez uma até hoje insuperável criação do Juiz Roy Bean. E por pouco o ator não leva para casa um quarto Oscar por sua participação em “Sargento York”, pelo qual foi também indicado ao prêmio. Walter Brennan ainda não havia sido dirigido por John Ford(que fez 11 filmes com John Wayne) e após a experiência em “PAIXÃO DOS FORTES” que ele contracena com Henry Fonda e Victor Mature quando fez o papel de OLD MAN(pai colérico e violento com os filhos que recebem chicotadas por qualquer erro que cometam), naquela oportunidade declarou que jamais voltaria a trabalhar com o temperamental Ford, o que realmente aconteceu. 

Se assim podemos dizer ou chamar, o ‘’DUELO INDIVIDUAL’’ mais longo da história dos faroestes foi aquele com Henry Fonda e Charles Bronson no espetacular filme, ERA UMA VEZ NO OESTE. Desnecessário informar do estupendo cenário, onde se passou  as filmagens externas que foram realizadas em MONUMENT VALLEY, nos Estados Unidos e no deserto de Almeria, na Espanha. Agora, o mais famoso ‘’DUELO COLETIVO’’ da história do Velho Oeste norte-americano foi aquele travado no Curral OK às três horas da tarde do dia 26 de outubro de 1881. De um lado, com distintivos de representantes da lei, estavam Victor Mature e tantos outros. Do outro lado,  o bando que roubava gado que enfrentou a lei, o grupo familiar formado por Walter Brennan e seus três filhos. Os dois duelos são cenas que ficarão para sempre nas cacholas dos amantes dos filmes de faroestes. VALE A PENA VER DE NOVO!!!

Outra grande película cinematográfica foi aquela  que deu o terceiro Oscar ao monumental Walter Brennan “O GALANTE AVENTUREIRO”, donde,  Walter Brennan  faz o papel de um magistrado e mostra porque o juiz Roy Bean (Walter Brennan) era considerado ‘A única lei a Oeste daquele condado. Despoticamente Roy Bean impõe a sua lei na cidadezinha de Vinegarroon e não vacila em condenar à forca quem violar as regras por ele estipuladas. Roy Bean condena o réu mais rapidamente ainda se ele for um dos pequenos agricultores que cercam suas propriedades para que elas não sejam invadidas pelos rebanhos dos pecuaristas. O Juiz Roy Bean é defensor intransigente dos criadores de gado e entende como crime o uso de cercas com arame farpado delimitando os pastos. O tribunal do Juiz Roy Bean funciona no pequeno saloon que o ‘juiz’ dirige e onde vai julgar um forasteiro acusado de roubar um cavalo. Esse homem é Cole Harden (Gary Cooper). O filme é uma bela resenha, como sempre rica em detalhes, deste western onde Walter Brennan se destaca. O filme alterna momentos cômicos, dramáticos e poéticos.

O filme que no Brasil recebeu a chancela de “O Galante Aventureiro” (The Western) é dividido em partes que beiram a comicidade e o sentimentalismo, passando por cenas de violência entre posseiros e criadores de gado até o dramático confronto entre o juiz Roy Bean(Walter Brennan) e Cole(Gary Cooper). Na verdade o personagem principal é o “Juiz” Roy Bean no qual Walter Brennan rouba completamente as cenas espetaculares do filme, embora Gary Cooper tenha conseguido sustentar a sua parte de forma elegante e com muita naturalidade.

Conforme escreve o pesquisador Darci Fonseca, Quase toda a primeira metade de “O GALANTE AVENTUREIRO” é conduzida em tom de comédia que pouco a pouco se transforma num drama intenso com o conflito nada engraçado dos interesses dos grupos antagônicos. A lei dos mais fortes que prevalecia no Velho Oeste é aplicada com violência contra os oprimidos plantadores. E é justamente a mescla de drama e comédia que faz deste filme do diretor  William Wyler um western diferente. 

Na verdade, grandes vilões dos faroestes conseguem roubar os filmes dos heróis, isto desde Noah Beery até chegar a Gene Hackman (“Os Imperdoáveis”), passando por Lee Marvin, Eli Wallach e tantos outros. Walter Brennan se destaca nesse time admirável com sua criação como o juiz Roy Bean. Brennan voltaria a ser malfeitor em “PAIXÃO DOS FORTES”, mas seu personagem  ‘Old Man Clanton’ é tímido perto de Judge Roy Bean. A excepcional atuação de Walter Brennan lhe valeu um merecido terceiro Oscar, tornando secundária a trama principal de “O Galante Aventureiro”, pois as excentricidades de Roy Bean sutilmente interpretadas por Brennan dominam inteiramente o filme.


Finalmente seria de bom  alvitre deixar registrado que, Walter Brennan, um brilhante ator coadjuvante, pena que poucos se lembram dele nos dias de hoje, juntamente com  Daniel Day-Lewis e Jack Nicholson são os atores que ganharam mais Oscar,  3 estatuetas cada. O grande parceiro de Brennan  foi o inigualável e carismático  GARY COOPER. Já com o Papa do faroeste, JOHN WAYNE, Ele fez 6 filmes: A Conquista do Oeste (1962),  Onde Começa o Inferno (1959),  Rio Vermelho (1948),  Dakota (1945),  A Lei da Coragem (1932)  e Cavaleiro do Texas (1932).  A filmografia de Walter Brennan consta  com cerca de 200 grandes filmes.

Assistam ao vídeo de 10 minutos do final do filme “PAIXÃO DOS FORTES”, em preto  e branco com uma fotografia e paisagem exuberantes,    estrelado por nada mais nada menos que, Henry Fonda em plena forma ao 41 anos de idade, Victor Mature e o fenomenal ator coadjuvante, o velho e bom  Walter Brennan. É um ‘’DUELO COLETIVO’’ da baba descer...


Nenhum comentário:

Postar um comentário