FIEPE

FIEPE

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

ANA CLÁUDIA - A MUSA DA DERROTA

Ana Claúdia Maffei, de 22 anos, estuda na Unicamp e mora no bairro do Morumbi, em São Paulo. Lugares frequentados por gente rica ou pela elite, como queiram.

Claudinha, naturalmente, torcia fervorosamente pela vitória de Aécio Neves na eleição presidencial. Até porque toda sua família votou no Tucano e no Morumbi o PT foi massacrado nas urnas: 87% dos moradores preferiram o candidato do PSDB.

Com a derrota do seu candidato no domingo, por uma diferença de apenas 3% dos votos, a estudante de Gestão Pública desabou no choro, foi fotografada e filmada e seu rosto triste e desolado foi parar nos jornais, sites e emissoras de TV.

Virou a “Musa da Derrota”.

Ana Cláudia confessou ao Portal UOL que preferia ter sido a musa da vitória e como é muito jovem ainda alimenta uma esperança: “Quem sabe em 2018 o PSDB vence”. Ela está mais do que certa em votar em Aécio, é consciente e não trai a sua classe.

Deve ser o modelo idealizado pelo padre Jeová Bezerra, que nasceu em São Bento do Una, mora em São Paulo e anda revoltado com os nordestinos. Por isso prega a independência do Sudeste em relação à miserável região em que nasceu. (Leia matéria abaixo).

Cláudia, porém, é minoria no Brasil. Poucos moram num bairro como o Morumbi, estudam na Unicamp e têm todas as regalias reservadas aos ricos. Por isso que Dilma venceu a eleição e provocou o choro da menina.

Deve ter muita gente com peninha dela. (Foto: Portal UOL).

AÉCIO CHEGOU A COMEMORAR A VITÓRIA


EXCLUSIVONo domingo, dia 26, a TV Master de João Pessoa chegou a anunciar a vitória de Aécio Neves (PSDB) na eleição presidencial. Informou, inclusive, que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso já tinha sido convidado pelo candidato tucano para comemorar o triunfo nas urnas, juntamente com outros correligionários.

Aqui em Pernambuco, o jornalista Eduardo Ferreira, que foi professor da Universidade Católica e trabalhou nos principais veículos de imprensa do Estado escreveu, também no domingo, em seu perfil no Facebook, que Aécio tinha convocado o governador eleito Paulo Câmara a Brasília. Especulava que esse fato sinalizava a possível vitória do tucano.

Aécio Neves pode realmente ter tido o sentimento de que venceria a eleição. 

Dados somente divulgados hoje, pelo Tribunal Superior Eleitoral, informam que o candidato do PSDB liderou a apuração até terem sido computados 88,9% dos votos. O candidato foi favorecido inicialmente pela expressiva votação em São Paulo. Quando as urnas dos Estados do Nordeste foram abertas, a partir das 19h30, foi que Dilma começou a crescer até chegar à virada. 

Além de liderar a disputa eleitoral até a apuração de quase 90% dos votos, Aécio recebeu uma ligação de um funcionário da Justiça Eleitoral que vazou os dados coletados até aquele momento, assegurando ao tucano que a eleição estava ganha.

Ainda faltava contabilizar muitos votos no Nordeste, mas o oposicionista estava convencido de que "empataria o jogo" na Bahia e em Pernambuco. Nos dois Estados perdeu por 5 milhões de voto. No Ceará e em Minas Gerais foram mais duas grandes lapadas e a comemoração foi pra o brejo. (Foto: Portal UOL).

ZÁ DA LUZ GOSTOU DA VITÓRIA DE DILMA

Embora tenha votado em Paulo Câmara (PSB) e Marina Silva (PSB) no primeiro turno, optando por se distanciar do processo político no segundo turno, o ex-prefeito Zé da Luz (PHS) confessa ter ficado satisfeito com a vitória de Dilma Rousseff (PT) na eleição de presidente. Ele se recusou a participar da campanha de Aécio Neves em Pernambuco, apesar de ter sido convidado para alguns atos políticos realizados no Estado pelas lideranças socialistas.

“Minha história política foi toda ao lado de Lula e Miguel Arraes. Por isso não me senti à vontade para acompanhar antigos companheiros no apoio ao tucano”, revelou o ex-prefeito de Caetés. Segundo ele, o material de arquivo de que dispõe com fotografias e vídeos ao lado do ex-presidente da República dá para fazer um documentário.
Por conta de sua história política,  toda ela ligada ao PT - partido ao qual já foi filiado - Zé da Luz não aceita que todo crédito da estrondosa vitória de Dilma em Caetés seja dado ao atual prefeito, Armando Duarte (PTB), que também já foi seu aliado. “Não se pode apagar a minha história em Caetés”, desabafou o ex-gestor do município, assegurando ainda que a maioria dos seus aliados na cidade que governou em três oportunidades votou na petista.
Zé da Luz reconhece méritos na atual administração, elogia o colégio que Armando está fazendo na cidade, mas discorda de que o mérito da vitória do PT em Caetés, com 90.55% dos votos, seja exclusivamente do petebista. “Se fosse assim ele teria dado mais votos ao seu deputado estadual”, questionou. Ele lembra que em 2010 teve mais de 6 mil votos em sua cidade, enquanto Claudiano Martins, apesar do aumento do eleitorado, ficou abaixo de 5 mil votos.
José Luiz Sampaio concorda com o posicionamento do deputado federal eleito Tadeu Alencar (PSB), que disse na imprensa da capital ter sido circunstancial a aliança dos socialistas com o PSDB. “Na minha opinião essa divisão entre o PSB e o PT nunca devia ter acontecido”, frisou, lembrando ainda que Eduardo Campos e Lula sempre foram muito próximos.

IVAN ACHA QUE QUEREM DESTRUIR A FAMÍLIA ARRAES

Assusta-me o que tenho visto pela imprensa e nas redes sociais sobre o chamado caso Marília Arraes. Relutei muito para não me intrometer no assunto, mas depois de muito me conter, esgotei a paciência com uma postagem no blog de Roberto Almeida, que fazia referências ao que entendo como uma ostensiva cizânia que se implanta, sorrateiramente, para destruir a família Arraes:

“Marília Arraes se impõe como a defensora das bandeiras históricas do PSB pernambucano, alinhado sempre à esquerda, em contraponto aos novos posicionamentos que o partido adotou em âmbito nacional nas eleições presidenciais deste ano, quando declarou apoio ao tucano Aécio Neves (PSDB).”

Essa declaração do blogueiro não corresponde à verdade dos fatos, uma vez que a Vereadora já estava no palanque adversário desde junho, ainda com Eduardo Campos como candidato. Logo, não tem nada a haver com a opção do Partido por Aécio. Em seguida, vem um declaração de Antonio Campos, em resposta à uma de Marília:

“Apesar disso, as afirmações de Marília são rebatidas pelo seu primo Antônio Campos, irmão de Eduardo: “A minha posição pessoal, a de Renata e dos meus sobrinhos e a da maioria da família Arraes, não a unanimidade, é de apoio a Aécio”, afirma.”

Diante da matéria e mesmo sabendo que estou pisando em terreno minado, ouso intrometer-me, de forma inconveniente, em assuntos que considero estritamente DE FAMÍLIA. Infelizmente ganhou lamentáveis contornos como de matéria pública, o que autoriza a quem quer que seja se intrometer. Lamentável que isso aconteça, uma vez que devia estar sendo tratado como questão de família, em que as eventuais divergências deveriam ser resolvidas em ambiente ESTRITAMENTE familiar.

Todos sabem das minhas ligações com o Mestre e Grande Líder Miguel Arraes, a quem acompanhei durante 52 (cinquenta e dois anos) até a sua morte em 2005. Nunca blasonei intimidades que não tinha, nunca entrei na sua casa que não fosse a convite dele ou de sua família.

Sempre considerei nossa relação como de Mestre e Discípulo e, por força desta aproximação, aprendi a respeitar e querer bem a toda família sem qualquer distinção, começando pela querida D. Almina e seus filhos. Um respeito muito grande por D. Madalena e seus dois filhos de sangue (Pedro e Mariana); bem como aos demais filhos de Arraes, a começar por Marcos (particular amigo); Ana Lúcia (que tornou-se minha bandeira federal, após a morte de Arraes); Nena (achou pouco e casou com Decinho, grande amigo de minha família); meu querido filho adotivo Luis Cláudio, Lula, que quase me mata de orgulho e emoção quando se ofereceu para substituir o meu filho Zéivan no seu falecimento; de Eduardo e Renata que cometeram uma simbiose maravilhosa com a união de duas famílias dignas.

Tive um pai, o meu velho Zébatatinha que tinha como obsessão, e nos transmitia sempre, a imperiosa necessidade da união da família em qualquer circunstância. Como em toda família grande, tínhamos esporádicos desentendimentos, logo administrados por ele prontamente. Vejo, contristado, acontecer essa divergência pública da família Arraes e já se fala em família Campos, como se fora outra. Será que ninguém percebe que isso é uma desconstrução da história de Miguel Arraes, que seus históricos adversários tentam montar ?

Não aguento mais as manifestações mediúnicas de centenas de intérpretes do pensamento de Arraes, nem tolero mais o surgimento de milhares de “Arraesistas Históricos”. Longe de mim seguir esse caminho caviloso, mas consegui aprender com muito esforço algumas questões defendidas pelo meu Mestre. Uma delas é que não se pode nem deve confundir questões pessoais com políticas e assevero que Arraes nunca teve “inimigos políticos” e sim “adversários políticos”. Nunca ouvi de Arraes, ao longo de todos esses anos, um referência pessoal desairosa sobre qualquer “adversário político”.

Lembram que na ocasião de assumir em nome de Pernambuco o Distrito de Fernando de Noronha, fez questão de descobrir o paradeiro do coronel do Exército, seu carcereiro na ilha, e convidá-lo para participar da cerimônia ?

Desculpem-me, queridos familiares de Arraes, mas não posso permanecer impassível diante desse episódio, que duvido muito acontecer se ele estivesse vivo. Sentem ao redor de uma mesa, tomem um café bem forte como ele gostava, desarmem os espíritos, desanuviem o semblante, não alimentem o rancor que só faz mal a quem o cultiva, lembrem que o sangue que corre em suas veias é o mesmo, fiquem certos que as divergências serão sempre efêmeras desde que as tratemos assim. Convençam-se de que, por mais significativas que sejam, as homenagens dedicadas ao Mestre Arraes, com nomes de ruas, hospitais, prédios, instituições, estradas, etc. serão sempre insignificantes diante do bem maior que é A UNIÃO DA FAMÍLIA e a preservação da sua história.

Desculpem mais uma vez o que pode parecer impertinência de um velho com validade vencida ao intrometer-se aonde não deve, nem estou querendo interpretar o pensamento de Arraes mas, sim, e o faço com toda a veemência, interpretando o sentimento de milhares e milhares de pessoas que o honraram com respeito e admiração por sua determinação de acudir aos mais necessitados e buscar a paz com os seus semelhantes. E nós, estamos fazendo o que ? (
Texto do advogado Ivan Rodrigues).

ESCLARECIMENTO DO BLOG 

A citação atribuída a este blogueiro por Ivan Rodrigues foi na verdade da jornalista Mônica Bergamo, do Jornal Folha de São Paulo. É só reler o texto publicado no domingo, dia 26 de outubro,  para perceber o equívoco por parte do advogado garanhuense. A vereadora Marília Arraes é uma figura pública e foi ela quem explicitou divergências entre os familiares do ex-governador. A imprensa não criou nada nem alimentou essas diferenças, apenas registrou o que aconteceu e está acontecendo. A briga começou quando o ex-governador Eduardo Campos ainda estava vivo e chegou ao conhecimento da imprensa sendo notícia no Jornal do Commercio, Folha de Pernambuco, Diario de Pernambuco, Blog do Magno, Blog do Jamildo, Folha de São Paulo e Portal UOL, dentre outros. Roberto Almeida apenas acompanhou o assunto e cumpriu sua obrigação profissional de abordar uma questão importante na política pernambucana.

Quando Marília, João Campos, Renata e outros da clã fizerem as pazes, teremos a maior satisfação em noticiar a reconciliação.

IATI REALIZA CAMPANHA DE VACINAÇÃO ANTIRRÁBICA

O município de Iati vivencia no próximo sábado, dia 1º, a Campanha Nacional de Vacinação Antirrábica para Cães e Gatos. Neste sentido a Secretaria de Saúde, através do Departamento de Vigilância em Saúde, trabalha para levar a imunização gratuitamente para centenas de animais que integram este segmento.

Quatro postos de vacinação estarão das 8 às 17 horas, a disposição dos cidadãos para que vacinem os seus animais. “Estaremos vacinando defronte ao Hospital Municipal; no posto de saúde Santa Terezinha; no Estádio de Futebol e no prédio onde funcionava o anexo do Antigo Fórum”, registra o secretário de Saúde, Hugo Leonardo, que complementa: “é muito importante manter os animais com suas vacinas em dia. A vacina antirrábica protege contra a raiva, uma doença que pode ser transmitida a humanos e é fatal", alerta o Secretário.  

VACINAÇÃO NOS POVOADOS – Já nos povoados Quati e Santa Rosa, bem como no bairro Bela Vista, a vacinação acontece nos próximos dias. “A meta é levarmos a vacina para todos os pontos do nosso Município, então, estaremos realizando o serviço dentro em breve nessas localidades”, registra o secretário de Saúde, Hugo Leonardo. 

PAULO CAMELO ANALISA VITÓRIA DE DILMA EM PERNAMBUCO

Sempre a população exercerá a sua sabedoria, quando quiser, evidentemente e contrariamente ao que  os políticos  queiram.

As condições materiais para análise política são ditadas pelos verdadeiros atores políticos: as pessoas. Considerando que não havia segundo turno para o governo do Estado, a população de Pernambuco resolveu nacionalizar o processo eleitoral, à revelia das lideranças estaduais (Jarbas; Paulo Câmara; Geraldo Júlio; Mendonça Filho; Humberto Costa; Edilson Silva; Teresa Leitão; Renata Campos; João Lyra; João Paulo; e tantos outros).

Após a “Refundação” e a conquista do poder central, o PT  se transformou num  partido político de Centro, ora oscilando para Centro-direita, ora para a Centro-esquerda. É um Partido da Ordem Burguesa, assim como o é o PSDB.

A Política Social Compensatória, iniciada no governo  FHC, através do Programa Comunidade Solidária (Bolsa Escola; Vale Gás, etc), habilmente transformada  pelo PT em “Bolsa Família”, tem um viés eleitoral e pesa sim a favor do governo, independente de coloração partidária. 

O voto destinado a presidente Dilma, foi também oriundo de uma parcela da população progressista, ou de esquerda, a qual acredita na falsa ilusão de que o PT é um partido de "esquerda". Trata-se de um amor Platônico, não correspondido pelo PT.

A população sabe que o PT, nos governos Lula e Dilma, destinaram verbas generosas para o governo Eduardo Campos, o qual habilmente escondia a autoria das mesmas, apartando-as da escala federal. A FIAT, recentemente instalada em Goiana/PE, é o retrato das concessões generosas do governo federal ao governo estadual do ex-governador, falecido, Eduardo Campos. Esse procedimento do PT, no segundo turno das eleições para Presidente da República, colando no empreendimento  FIAT de Goiana/PE, enfraqueceu as iniciativas da articuladora do PSB, Renata Campos. Foi uma ação sutil do PT, mas de grande impacto eleitoral.

É verdade que as lideranças do PT, ora associadas ao burguês e senador Armando Monteiro, estão fragilizadas no contexto estadual. 

Igualmente, é verdade  que Lula é uma liderança nacional, muito perigoso na política, e é filho natural do ex-distrito de Garanhuns, hoje cidade, Caetés, Pernambuco. Há um casamento insolúvel de Lula com a população de Pernambuco. Portanto, o ex-presidente Lula, foi o principal abonador  e arquiteto da vitória de Dilma  em Pernambuco.

No segundo turno houveram  manifestações isoladas e acanhadas das lideranças do PSDB e do PSB, e demais partidos afins, em PE. Isso quer dizer, que a maioria dos Prefeitos do PSB, e demais políticos pró-Aécio, não vestiram a camisa plena do Aécio, enfraquecendo a sua campanha. Vide exemplo do empenho das lideranças políticas pró-Aécio, capitalizando a vitória do mesmo  em Taquaritinga do Norte/PE.

A maioria esmagadora da população não é progressista e muito menos esquerdista. Pelo exposto até aqui, podemos dizer que a população que queria “mudança”, votou no Aécio. Ou à Direita, não tem o direito de defender as suas  “mudanças”?

A presidente Dilma, representa o continuismo de um governo que chega ao 12º  ano consecutivo sem mover uma palha sequer em favor da transformação da sociedade brasileira para contribuir com a cicratização da nossa história em face da exploração do homem pelo próprio homem. Afinal,  o PT, com auxílio do PC do B, este último hegemônico  no movimento estudantil,  arrefeceram  o movimento popular brasileiro sob os aplausos da burguesia. Vide as manifestações apartidárias, descontroladas e anarquistas de junho de 2013.

Houve negação, parcial,  a Aécio em Minas Gerais e não em Pernambuco. O Pernambu-cano é perdido de amor por Lula e mais ninguém. Em Pernambuco, Dilma é apenas  afilhada de Lula, conhecida popularmente como a "mulher" (sem vinculação amorosa)  do homem (Lula).  

A população ainda não se expressou sobre a palavra "Mudança". Quais?  A presidente Dilma, também não disse quais são as “Mudanças”. Aécio e Marina, também falaram em "Mudança". Quais? Finalmente, quem está enrolando quem?

 Sobre a vitória de Paulo Câmara, para governador,  nas eleições de 05.10.2014, pode-se dizer   que  os seus marqueteiros, habilmente  souberam transformá-lo no candidato do ex-governador Eduardo Campos. Logo, o Paulo Câmara, ganharia a eleição com ou sem a presença física de Eduardo Campos. Sendo assim, pensar que foi a emoção que deu a vitória a Paulo Câmara, em PE, é uma atitude ingênua.   Armando Monteiro, chegou aos 43% de aceitação, até o momento em que a população imaginava que ele era o candidato de Eduardo Campos. Nos Debates o Armando Monteiro, colecionou antipatia pela sua  arrogância patriarcal contra o candidato Paulo Câmara, afilhado do ex-governador, falecido, Eduardo Campos. Além do Paulo Câmara,  ter mais identificação com a juventude, do que o cinqüentão Armando Monteiro.

Os setores em Pernambuco, que não aceitam o PT, habitam no PSOL, PCB, PSTU, PSDB, PPS, DEM, PMDB e  porque não dizer, nos eleitores do ex-candidato a presidente Aécio Neves. É uma geleia geral.

As pessoas se mobilizam na maioria das vezes no terreno das ilusões. Era esse o sentimento que unificava as pessoas, sejam Dilmistas, Lulistas, Petistas, Psolistas, ou não, as quais se encontravam na comemoração da vitória de Dilma, realizada na noite de 26.10.2014, no Marco Zero, Recife/PE.
    
Por fim,   imagino  que não existe a expressão de que o governo antidemocrático da presidente Dilma, vai dialogar com as "mudanças" (quais?),  infantilmente pretendidas pelas pessoas ou partidos políticos, uma vez que o governo Dilma vai priorizar dialogar com as Classes Dominantes do país, visando acalmar o Mercado.

Paulo Camelo de Holanda Cavalcanti, engenheiro civil, ex-candidato a Deputado Federal pelo PSOL/PE

PADRE DE SÃO BENTO INCITA ÓDIO AOS NORDESTINOS

Um texto escrito pelo padre Jeová Bezerra, que mora em São Paulo, mas é natural de São Bento do Una, deixou revoltados os moradores da cidade do Agreste de Pernambuco. Em sua mensagem, o religioso apela para que se reze pelo governador Geraldo Alckmin, que terá de carregar o peso dos nordestinos em seu Estado. “Os que fogem da triste miséria nacional vindo buscar riqueza de um povo que trabalha”, apelou o sacerdote, que ainda acrescentou um comentário pregando a independência de São Paulo em relação ao Nordeste brasileiro. Muitos sulistas se solidarizaram com o representante da Igreja Católica, enquanto o sentimento entre os sãobentes foi de revolta.
O mais interessante nessa história toda é que Padre Jeová já foi acusado de pedofilia e alvo de investigação da justiça e da polícia, como qualquer um pode pesquisar e confirmar rapidamente no Google.
Abaixo a mensagem do padre numa Rede Social:

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

DEPUTADO EXIGE RETRATAÇÃO DE JORNALISTA

Direto do gabinete do deputado federal Sílvio Costa:

O Deputado Federal Silvio Costa - PSC/PE solicitou ao Presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, que encaminhasse um ofício à Rede de Televisão Globo News e ao Jornalista Diogo Mainardi (foto), solicitando que fosse feito pelo referido jornalista um pedido de desculpas a todos nós, nordestinos, que fomos agredidos no último domingo, dia 26 de outubro, no Programa Manhattan Connection.

Revoltado com a reeleição da Presidente Dilma, o jornalista ultrapassou todos os limites da ética, da liberdade de imprensa e da democracia quando fez uma agressão, sem precedentes, na história do jornalismo brasileiro ao povo nordestino. Ele disse textualmente “os nordestinos são bovinos”, uma agressão inqualificável.

O Presidente Henrique Eduardo Alves firmou o compromisso público de que, se não houver a retratação, o Jornalista será acionado judicialmente.

SILVIO COSTA
Deputado Federal

MINAS DERROTOU AÉCIO NEVES

Duas notas preciosas publicadas hoje pelo jornalista Inaldo Sampaio.
A causa – Já é consenso no PSDB: quem derrotou Aécio foi Minas, onde ele tinha obrigação de vencer Dilma com pelo menos 2 milhões de votos. Errou na escolha do candidato a governador, Pimenta da Veiga, derrotado por Fernando Pimentel (PT), ignorando sugestão dada por Eduardo Campos para que indicasse uma “cara nova”. SP cumpriu o seu papel, dando-lhe 7 milhões de votos de vantagem.
Leitura – Petebistas de Pernambuco diziam ontem que mesmo com a vitória de Dilma em Pernambuco, no 2º turno da eleição presidencial, o prefeito Geraldo Júlio “interpreta os números ao contrário e continua se atribuindo uma importância política que não tem”.

A DISCUSSÃO SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA MÍDIA

O simples estabelecimento de uma regulação da radiodifusão não pode ser tachado de cerceamento da liberdade de imprensa ou então de censura porque é isso o que diz e pede a própria Constituição brasileira de 1988, ao estabelecer princípios que devem ser respeitados pelos canais de rádio e TV.
No entanto, mais de 25 anos após sua promulgação, nenhum artigo de seu capítulo V, que trata da Comunicação Social, foi regulamentado, deixando um vazio regulatório no setor e permitindo a consolidação de situações que contrariam os princípios ali estabelecidos.
Os efeitos da não regulamentação constitucional são evidentes:
§  O artigo 220, por exemplo, define que não pode haver monopólio ou oligopólio na comunicação social eletrônica. Hoje, no entanto, uma única emissora controla cerca de 70% do mercado de TV aberta.
§  O artigo 221 define que a produção regional e independente devem ser estimuladas. No entanto, 98% de toda produção de TV no país é feita no eixo Rio-São Paulo pelas próprias emissoras de radiodifusão, e não por produtoras independentes.
§  Já o artigo 223 define que o sistema de comunicação no país deve respeitar a complementaridade entre os setores de comunicação pública, privada e estatal. No entanto, a imensa maioria do espectro de radiodifusão é ocupada por canais privados com fins lucrativos. Ao mesmo tempo, as 5.000 rádios comunitárias autorizadas no país são proibidas de operar com potência superior a 25 watts, enquanto uma única rádio comercial privada chega a operar em potências superiores a 400.000 watts. Uma conta simples revela o evidente desequilíbrio entre os setores.
§  Por fim, o artigo 54 determina que deputados e senadores não podem ser donos de concessionárias de serviço público. No entanto, a família Sarney, os senadores Fernando Collor, Agripino Maia e Edson Lobão Filho, entre tantos outros parlamentares, controlam inúmeros canais em seus estados. Sem uma lei que regulamente tal artigo, ele – como os demais da Constituição – torna-se letra morta e o poder político segue promiscuamente ligado ao poder midiático.
Regular os meios de comunicação de massa neste sentido está longe, portanto, de estabelecer práticas de censura da mídia. Trata-se de uma exigência constitucional de definir regras concretas para o funcionamento destes veículos no sentido de atender aos objetivos definidos pela sociedade em sua carta maior.
Regular a radiodifusão não é coisa de comunista

Outro mantra entoado pelos oponentes da regulação da mídia é que esta seria uma tentativa de acabar com a liberdade de imprensa e transformar o Brasil num país comunista. Nada mais desinformado.
O Estados Unidos, por exemplo, país que está longe de ter aspirações comunistas, já estabeleceu, há algumas décadas, que donos de empresas que publicam jornais e revistas não podem controlar também canais de rádio e TV. Os americanos entendem que tamanha concentração de poder em termos de difusão de informação é prejudicial para a democracia liberal e a livre concorrência de mercado, que tanto defendem.
Assim, lá os donos do The New York Times não podem ser os mesmos donos de uma emissora de TV em Nova York, porque a regulação americana coloca limites à propriedade cruzada dos meios de comunicação e proíbe a formação de oligopólios. Da mesma forma, uma empresa não pode ultrapassar um percentual máximo de audiência na mesma localidade, porque seu impacto seria demasiado grande em termos de poder político. Estas são apenas duas das regras definidas pelo órgão regulador responsável pelo setor, entre tantas outras que os Estados Unidos, berço do liberalismo, decidiu adotar em relação à mídia.

Já por aqui, apesar de muitos atribuírem o êxito das Organizações Globo exclusivamente à sua competência em se posicionar no mercado, é preciso lembrar que parte do poder alcançado pelo maior grupo de rádio e televisão do Brasil também é resultado de uma ação histórica, ao longo das décadas, do que se pode chamar de abuso de poder de mercado. Abuso que se revela quando uma única emissora possui cerca de 40% da audiência da TV aberta e concentra mais de 70% do mercado publicitário – além de controlar canais de TV por assinatura, jornais, revistas, editoras, gravadoras e produtoras –, desenhando um cenário de evidente monopólio.
Trecho de uma reportagem dos jornalistas Pedro Ekman e Bia Barbosa, na Revista Carta Capital

CAETÉS GANHOU O RESPEITO DO BRASIL

Armando Duarte com os deputados reeleitos
Silvio Costa e Claudiano Filho

Caetés mostrou força duas vezes nas eleições de outubro. No primeiro turno deu 85% de votação a Dilma Rousseff, quando no Estado a candidata teve apenas 44% e perdeu para Marina Silva (PSB). No segundo turno o percentual da petista no município chegou a 90.55%, o maior do Agreste Meridional e um dos maiores de Pernambuco e do Brasil.

A vitória inquestionável do PT em Caetés deixou o prefeito Armando Duarte (PTB) satisfeito e consciente que com a demonstração de força nas urnas ficou mais fácil reivindicar recursos e benfeitorias para o município.

“Já conseguimos muito para Caetés, mas a partir de agora vamos buscar ainda mais recursos para desenvolver a cidade”, revela Armando, certo que terá aliados importantes em sua luta, como os senadores Armando Monteiro e Humberto Costa e o deputado federal Silvio Costa, a quem deu grande votação no dia 5 de outubro.

“E se Armando Monteiro for para o ministério, como a imprensa da capital está especulando, será ainda melhor para nós”, acredita o prefeito de Caetés. Após a consagradora votação de Dilma entre os caeteenses, a cidade foi destaque nos noticiários regional e nacional. Isso deixou os moradores do município orgulhosos com a projeção. “Caetés ganhou de vez o respeito do Brasil”, comemora Armando Duarte.

ILUMINAÇÃO A LED CHEGA A LAJEDO


A iluminação a led, que tomou conta de Garanhuns desde 2013, chega com força agora também a Lajedo.

Convencido dos benefícios do novo sistema, o prefeito Rossine Blesmany (PSD), está levando à frente um projeto da Secretaria de Planejamento do Município para iluminar com lâmpadas led toda a cidade e os povoados. Até o final da atual gestão as principais localidades terão sido beneficiadas.

O sistema led é mais moderno do que o convencional, ilumina melhor as ruas e ainda reduz em até 60% o consumo de energia elétrica. Agride menos o meio ambiente e a vida útil das lâmpadas chega a 10 anos,  gerando também economia de mão de obra na reposição das luzes convencionais.


Em menos de dois anos, o Governo Rossine melhorou a assistência social, a educação e a saúde, fez uma grande reforma no Colégio Normal, recuperou a Ceala e está devolvendo o Matadouro à população. Sua preocupação agora é em melhorar o aspecto da zona urbana, que foi degradado pelas administrações passadas.

Os moradores de Lajedo têm reconhecido os esforços do gestor, tanto que na última eleição deram ampla maioria aos seus candidatos a deputado, senador e governador do Estado.

HULK MANDA JORNALISTA RESPEITAR O NORDESTE

O jogador Hulk, natural da Paraíba, mandou o jornalista Diogo Mainardi respeitar o Nordeste. O recado foi por conta de um comentário do profissional de imprensa na Globo News classificando a região nordestina como “retrógrada” e “bovina”, por ter dado uma maior votação a Dilma Rousseff, no último dia 26.

"Morando tanto tempo fora do Brasil, Diogo Mainardi não tem consciência da importância do Nordeste no país e desrespeita a população nordestina", reclamou Hulk, em sua conta no Instagram. O jogador aproveitou para citar nomes importantes da cultura brasileira, como o escritor Gracialiano Ramos, o cineasta Gláuber Rocha, o cantor Gilberto Gil e o ator José Wilker, todos eles nordestinos.

Para Hulk, o jornalista mostra ignorância e arrogância ao criticar o Nordeste, e ressaltou a luta com humildade dos nordestinos em busca de melhores condições de vida nos últimos anos. "Infelizmente, o Mainardi demostra ignorância quando nos critica. As maiores dificuldades da região foram impostas pelos diversos governos ao longo dos anos. Mainardi respeite o Nordeste!", protestou o atacante.

O TERCEIRO TURNO DA ELEIÇÃO

Do jornalista Jânio de Freitas, na Folha de São Paulo:

Entre as incontáveis confusões propaladas a respeito da eleição presidencial, já se tornou lugar-comum a afirmação de que o Brasil dividiu-se ao meio. Afirmação que vem de antes da votação, induzida pelas pesquisas, e dada como definitiva e comprovada pela proximidade dos 51,64% de votos em Dilma e 48,36% em Aécio, ou 54,5 milhões para ela e 51 milhões para ele. Mas o tal país dividido em dois não existe. Ao menos no Brasil.

A soma dos votos em Dilma e Aécio leva a 105,5 milhões de eleitores, equivalentes à metade da população, também em número redondo, de 200 milhões. Logo, o que está dividido ao meio, ou quase, são os votos, não o país. No qual os 51 milhões de Aécio correspondem a 1/4 da população. O mesmo se dando com Dilma. E, portanto, nenhum deles dividindo o país em dois. Cada um é apenas metade da metade dos brasileiros. Além dos totais de eleitores que se aproximam, sobra outro tanto na população do Brasil.

Mas a ideia do país dividido ao meio, rachado, metade contra metade, é necessária. Como diz o velho slogan, “a luta continua” — tão consagrado quanto seu companheiro de derrotas “o povo unido jamais será vencido”. “Fora Lula”, “Fora PT”, “Fora Dilma” foram levados à urna por um símbolo físico, o símbolo que foi possível arranjar, nas circunstâncias ingratas.

Não sucumbem, porém, no desastre do seu representante ocasional. São uma ideia de força. E, mal a contagem concluíra, já um dublê de blogueiro e colunista político lançava, altissonante e global, o brado da beligerância: “O país está dividido e a culpa é do PT”. Beligerância ferida, sim, mas não de morte. Apenas no cotovelo.

Há que considerar ainda, na divisão do país, a quantidade imensa de eleitores que não se manifestaram por um nem por outro candidato. Os ausentes na votação foram 30,13 milhões. Os que anularam o voto, 5,21 milhões. Somados também os que deixaram o voto em branco, totalizam-se 37,27 milhões de eleitores. Ou 27,44% do eleitorado.

Excluídos os possíveis ausentes por morte, não é imaginável que esse povaréu, quase um quinto da população, seja desprovido de toda preferência com sentido político. A propaganda de divisão meio a meio os elimina do cômputo, mas existem e são comprovantes, também, do país multifacetado — como sempre.

As referências de Dilma ao diálogo aproximativo com a oposição e, de outra parte, o espírito da propaganda de país dividido são conflitantes. E não por um instante de sensibilidades contrárias de vitoriosos e derrotados. As divergências são de fundo, na percepção das necessidades e na prospecção de futuros do Brasil. A meta dos derrotados na urna continua a mesma. Os meios de buscá-la, também, se todos os recém-usados continuarem possíveis. E se não vierem a contar com outros, não menos conhecidos.

União, nem em Minas, onde foi feito o julgamento de Aécio, derrotado duas vezes por seus ex-governados. União, só a de Marina, do nome Eduardo Campos, da viúva Campos, de Aécio e do PSB para o vexame presunçoso de perder para Dilma por 70% a 30%, o 7 x 1 em versão eleitoral.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

NEONAZISTAS INVESTEM CONTRA NORDESTINOS

Uma das inúmeras mensagens na net contra os nordestinos

Na avaliação do presidente da ONG Safernet, entidade que monitora violações de direitos humanos na web, há um aumento do número de páginas criados por grupos de extrema direita que se aproveitam do acirramento do debate eleitoral para impulsionar mensagens de ódio. Um dos principais alvos são os moradores do Nordeste, região do país em que a presidenta Dilma Rousseff recebeu o maior volume de votos nas eleições.

A Safernet identificou que novos perfis falsos no Facebook e no Twitter foram criados desde a noite de ontem para disseminar mensagens de segregação. Alguns usam espécies de “robôs” para retuitar seus próprios perfis e ampliar o alcance das postagens.

“Já temos evidências concretas que nos permitem afirmar que existem células neonazistas se aproveitando do momento para impulsionar mensagens segregacionistas para impulsionar uma agenda baseada em princípios e propostas segregacionistas como dividir o Norte e o Sul do país”, apontou Thiago Tavares em entrevista ao programa Ponto Com Ponto Br, do PortalEBC.
Tavares alerta que eleitores inconformados com o resultado das urnas devem ficar atentos para não fortalecer nem legitimar o discurso de ódio ao compartilhar mensagens na rede. “Isso é muito perigoso porque a gente sabe quem em meio a essas células neonazistas existem fanáticos que estão dispostos a se tornar mártires por esse tipo de causa”. Tavares lembra que, de acordo com a lei 7.716/1989, promover o ódio e a discriminação é crime, com pena que vai de 3 a 6 anos de reclusão, além de multa. (Fonte: NE 10).